terça-feira, 1 de março de 2011

ESCOLA MARIA LUNGA (CEMOABA-TURURU) E CENTRO EDUCACIONAL MARIA MAGALHÃES (ITAPIPOCA) DESENVOLVEM PROJETO DE CARNAVAL


Projeto
"Escola foliona: vivenciando o carnaval"

"No carnaval, esperança
Que gente longe viva na lembrança
 Que gente triste possa entrar na dança
Que gente grande saiba ser criança
Sonho de um Carnaval. "
(Chico Buarque)


Público Alvo: Educação Infantil e Ensino Fundamental

Período: 24 de fevereiro a 04 de março de 2011.

Pedagogo Responsável: Francisco Evandro Barbosa do Nascimento.

Justificativa:
Desde pequenos, os alunos aprendem muito, sobre o mundo, fazendo perguntas e ouvindo fatos e histórias dos seus familiares, amigos até mesmo assistindo TV, vídeos e ou foliando e apreciando revistas e jornais. Vivenciam também experiências e interagem num contexto de: conceitos, gostos e costumes formando suas ideias e conhecimentos sobre o mundo que o cerca.
O Carnaval é uma festa popular arraigada em nossa cultura. Como forma de nos integrarmos com a cultura do nosso país nossa escola neste ano de 2011 irá desenvolver o Projeto “Escola Foliona: vivenciando o carnaval", de forma integrada indo de encontro aos interesses dos alunos respeitando suas necessidades, curiosidades e ideias.

Objetivo geral:
Através deste projeto, levar os alunos a:
* Interessar-se e demonstrar curiosidade pelo mundo social, formulando perguntas, imaginando soluções para compreendê-lo manifestando opiniões próprias sobre os acontecimentos, buscando informações e confrontando ideias.

Objetivos Específicos:
* Reconhecer o carnaval brasileiro como a maior     festa do mundo;
* Conhecer a história do carnaval no Brasil e suas características;
* Conscientizar as crianças no sentido de que é preciso não confundir diversão com confusão;
* Desenvolver o gosto pela leitura;
* Desenvolver a linguagem oral e a escrita;
* Desenvolver o gosto por poemas e músicas;
* Desenvolver a percepção e a coordenação motora;
* Estimular o ritmo;
* Proporcionar liberdade de auto-expressão;
* Possibilitar habilidades com as mãos; desenvolver o espírito criador;
* Trabalhar com psicomotricidade;
* Trabalhar o raciocínio e a memória.

Conteúdos:
* O Carnaval;
* Linguagem oral e escrita;
* O fazer artístico;
*Personagens carnavalescos;

* Expressividade;
* Equilíbrio e coordenação;
* Apreciação musical.
Estratégias:
*Música
* Poemas;
* Parlendas;
* Painéis;
* Pesquisa;
* Dança,
* Desenho;
* Pintura;
* Festa de carnaval;
* Brincadeiras infantis;
* Jogos diversos;
* Ditado;
* Recorte e colagem;
* Carta enigmática;
* Literatura infantil;
* Vídeos;
* Cds;
* Fantoches;
* Máscaras;
* Murais informativos.


Avaliação:
*A avaliação será realizada permanentemente comprometida com o desenvolvimento dos alunos. Será observado o que os alunos sabem fazer, o que pensam a respeito do carnaval e do que é difícil entender, assim como conhecer mais sobre os interesses que possuem;
*Culminância do projeto no dia 04/03/2011 onde os alunos apresentarão seus trabalhos na quadra da escola para as demais turmas.

Sugestões de atividades relacionadas ao carnaval - ENSINO FUNDAMENTAL I (1º AO 5º ANO)
No dia 24/02/11 as professoras podem:
- Realizar uma roda de conversa instigando os alunos a expressarem seus conhecimentos sobre o tema.
- Apresentar para os alunos Projeto Escola foliona: vivenciando o carnaval.
- Levar para a sala de aula reportagens e fotos sobre o assunto. Observando o interesse das crianças pode-se propor para o grupo uma pesquisa como tarefa de casa.
No dia 25/02/11 as professoras podem:
- Realizar brincadeiras infantis fazendo com que as crianças devem participar e compartilhar espontaneamente com sugestões e idéias de brincadeiras infantis. Algumas brincadeiras que podem ser realizadas: O gato e o rato; passar anel; ovo choco; pega-pega; esconde-esconde e outras.
- Ler com os alunos o texto História do carnaval.
- Apresentar para a turma os principais personagens da cultura carnavalesca. (Ver o texto Os personagens do carnaval).
- Cantar músicas de carnaval, pois é possível constatar que a maioria das crianças não conhece as músicas apresentadas, mas todas aprendem com facilidade. É preciso, portanto, realizar momentos divertidos com muita música e dança.
No dia 01/03/11 as professoras podem:
- Realizar uma roda de conversa destacando os temas: violência e o uso do de bebidas alcoólicas neste período.
- Selecionar na turma os representantes para a escolha da rainha e do rei momo que ocorrerá no dia da culminância.
- Organizar com os alunos um bloco carnavalesco incentivando as crianças a virem fantasiadas e a aproveitarem muito bem a festa dançando, cantando, participando dos trenzinhos e se entrosando com os colegas,  com alegria e amizade para apresentar no dia da culminância. (Explorar com os alunos as marchinhas).
No dia 02/03/11 as professoras podem:
- realizar roda de conversa sobre as brincadeiras que surgem no carnaval e conversar com os alunos sobre elas.
- realizar atividades envolvendo leitura e escrita
* Música: Mamãe eu quero.
Mamãe eu quero.
Mamãe eu quero mamar.
Dá a chupeta,
Dá a chupeta,
Dá a chupeta,
Pro bebê não chorar.
*Jogo do dominó:
Este jogo explora a primeira letra da palavra.
A criança precisa juntar a cartela da letra com a palavra...
Exemplo: A / ARLEQUIM
*Jogo da forca:
Este jogo pode ser realizado no quadro de giz e ele é realizado com a participação de todas as crianças.
Exemplo do jogo:
C R A L___ ____ ____ ____ ____ ____ ____ ____
(C A R N A V A L)
As crianças têm a oportunidade de adivinhar quais são as letras que compõe a palavra e qual é a palavra...

*Bingo:
Com cartelas individuais explorando palavras cada criança tem a oportunidade de jogar bingo.
Exemplo de palavras que podem ser exploradas:
 Palhaço;  Alegria;  Salão;  Serpentina;  Colombina;
 Fantasias;  Samba; e muitas outras palavras que lembram o carnaval.
*Trabalhar em conjunto e realizar as atividades explorando a escrita de letras, palavras, números, assim como desenvolvendo a noção de quantidade e a oralidade.
Exemplos:  Acrósticos;  Caça-palavras;  Ditados divertidos;  Alfabeto móvel;
- Confeccionar máscaras e selecionar uma para representar a turma no concurso de máscaras no dia da culminância. 
No dia  03/03/11 as professoras podem:
- Realizar uma roda de conversa sobre como é festejado o carnaval em sua cidade.
- Peça que construam textos e relatos sobre esse debate. Os grupos podem apresentar sua pesquisa para os colegas utilizando murais, músicas, danças, adereços e fantasias de acordo com o carnaval do local pesquisado.
- Explorar as marchinhas de carnaval.

Sugestões de atividades relacionadas ao carnaval – ENSINO FUNDAMENTAL II (6º AO 9º ANO)

Língua Portuguesa:
- Realizar uma roda de conversa instigando os alunos a expressarem seus conhecimentos sobre o tema.
- Apresentar para os alunos Projeto Escola foliona: vivenciando o carnaval.
- Levar para a sala de aula reportagens e fotos sobre o assunto. Observando o interesse dos educandos pode-se propor para o grupo uma pesquisa como tarefa de casa.
- Peça que construam textos e relatos sobre esse debate. Os grupos podem apresentar sua pesquisa para os colegas utilizando murais, músicas, danças, adereços e fantasias de acordo com o carnaval do local pesquisado.
- Selecionar na turma os representantes para a escolha da rainha e do rei momo que ocorrerá no dia da culminância.
- Organizar com os alunos um bloco carnavalesco incentivando as crianças a virem fantasiadas e a aproveitarem muito bem a festa dançando, cantando, participando dos trenzinhos e se entrosando com os colegas, com alegria e amizade para apresentar no dia da culminância. (Explorar com os alunos as marchinhas).
- Realizar roda de conversa sobre as brincadeiras que surgem no carnaval e conversar com os alunos sobre elas.

História:
- Ler e discutir com os alunos o texto História do carnaval.
- Realizar uma roda de conversa sobre como é festejado o carnaval em sua cidade.

Arte:
- Apresentar para a turma os principais personagens da cultura carnavalesca. (Ver o texto Os personagens do carnaval).
- Cantar músicas de carnaval, pois é possível constatar que a maioria dos alunos não conhece as músicas apresentadas, mas todas aprendem com facilidade. É preciso, portanto, realizar momentos divertidos com muita música e dança.
- Organizar com os alunos um bloco carnavalesco incentivando as crianças a virem fantasiadas e a aproveitarem muito bem a festa dançando, cantando, participando dos trenzinhos e se entrosando com os colegas, com alegria e amizade para apresentar no dia da culminância. (Explorar com os alunos as marchinhas).
- Confeccionar máscaras e selecionar uma para representar a turma no concurso de máscaras no dia da culminância. 
- Explorar as marchinhas de carnaval.

Ciências:
- Realizar uma roda de conversa destacando os temas: violência e o uso do de bebidas alcoólicas e outras drogas neste período.

No dia 04/03/11: Culminância
- Escolha do bloco mais animado;
- Escolha da rainha e do rei momo;
- Escolha da melhor fantasia;
-Escolha da máscara mais criativa;
- Escolha da melhor sambista;
- Momento livre com música (30 minutos)

Conclusão:
Durante a realização deste projeto é importante observar e perceber o interesse dos alunos em aprender e participar das atividades propostas com atenção, criatividade, responsabilidade e muito dinamismo.

Texto de apoio: História do Carnaval.

O carnaval é considerado uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. Tem sua origem no entrudo português, onde, no passado, as pessoas jogavam uma nas outras, água, ovos e farinha. O entrudo acontecia num período anterior à quaresma e, portanto, tinha um significado ligado à liberdade. Este sentido permanece até os dias de hoje no Carnaval. O entrudo chegou ao Brasil por volta do século XVII e foi influenciado pelas festas carnavalescas que aconteciam na Europa. Em países como Itália e França, o carnaval ocorria em formas de desfiles urbanos, onde os carnavalescos usavam máscaras e fantasias. Personagens como a colombina, o pierrô e o Rei Momo também foram incorporados ao carnaval brasileiro, embora sejam de origem européia.
No Brasil, no final do século XIX, começam a aparecer os primeiros blocos carnavalescos, cordões e os famosos "corsos". Estes últimos tornaram-se mais populares no começo do século XX. As pessoas se fantasiavam, decoravam seus carros e, em grupos, desfilavam pelas ruas das cidades. Está ai a origem dos carros alegóricos, típicos das escolas de samba atuais.
No século XX o carnaval foi crescendo e tornando-se cada vez mais uma festa popular. Esse crescimento ocorreu com a ajuda das marchinhas carnavalescas. As músicas deixavam o carnaval cada vez mais animado.
A primeira escola de samba surgiu no Rio de Janeiro e chamava-se Deixa Falar. Foi criada pelo sambista carioca chamado Ismael Silva. Anos mais tarde a Deixa Falar transformou-se na escola de samba Estácio de Sá. A partir dai o carnaval de rua começa a ganhar um novo formato. Começam a surgir novas escolas de samba no Rio de Janeiro e em São Paulo. Organizadas em Ligas de Escolas de Samba, começam os primeiros campeonatos para verificar qual escola de samba era mais bonita e animada.
O carnaval de rua manteve suas tradições originais na região Nordeste do Brasil. Em cidades como Recife e Olinda, as pessoas saem às ruas durante o carnaval no ritmo do frevo e do maracatu.
Na cidade de Salvador, existem os trios elétricos, embalados por músicas dançantes de cantores e grupos típicos da região. Na cidade destacam-se também os blocos negros como o Olodum e o Ileyaê, além dos blocos de rua e do Afoxé Filhos de Gandhi.

OS PERSONAGENS DO CARNAVAL
Na Mitologia Grega, Momo era o Deus da galhofa e do delírio - tão irreverente que acabou expulso do Olimpo. Na Roma antiga, o mais belo dos soldados era coroado Rei Momo e tratado como um verdadeiro senhor, comendo, bebendo e se divertindo à exaustão. Mas quando a festa acabava... ele era levado ao altar de Saturno e sacrificado. A figura do alegre monarca da folia surgiu no Carnaval carioca em 1933. Atualmente, cada cidade, em que há carnaval organizado, escolhe um rei Momo através de eleições (votam pessoas ligadas à organização do carnaval). O rei Momo deve ser uma pessoa que goste muito de carnaval e de preferência gordo. Deve ser animado, pois ele é que m vai animar e comandar as festas do carnaval. O rei Momo deve ser simpático, brincalhão, di-
Rei Momo
vertido e bem humorado.  Em algumas cidades existe uma tradição em que o prefeito entrega a chave da cidade para o rei Momo. Desta forma, simbolicamente, o rei Momo governa a cidade nos quatro dias de folia.
Rainha do Carnaval
Elas são o brilho e graça do Carnaval e comandam a abertura do Carnaval carioca. Instituído a partir de 1950, o concurso para Rainha do Carnaval e suas princesas já deu muito que falar: nos primeiros anos, o sistema de votos vendidos era o que valia para eleger a beldade da folia. Somente dez anos depois do primeiro concurso é que passou a valer o sistema de voto de qualidade, ou seja: a candidata tem que ser bela para reinar ao lado de Momo.



Bate-bola / Clóvis
Terror das crianças de várias gerações, os bate-bolas ou clóvis andam sempre em grupo com suas roupas (macacões) coloridas e máscaras transparentes com um orifício no lugar da boca, preenchido, quase sempre, por uma chupeta. E não se pode esquecer, é claro, da bexiga amarrada a uma varinha para assustar a criançada do bairro. Apesar de ser uma manifestação dos antigos carnavais cariocas, ainda é comum ver tais grupos na Baixada Fluminense.



Pierrô, arlequim e colombina
                           



Os três personagens, fundamentais em qualquer baile de fantasia ou desfile de escola de samba, surgiram com a Comédia Italiana, uma companhia de atores que se instalou na França entre os séculos XVI e XVIII para difundir a Commedia dell"Arte - forma teatral com tipos regionais e textos improvisados. O pierrô é o sentimental, o ingênuo, apaixonado e pela colombina; o arlequim é o seu rival: um palhaço farsante e cômico que veste um traje feito a partir de retalhos triangulares de várias cores; e a colombina, que já inspirou tantos versos de famosas marchinhas? Sedutora, volúvel e sempre bem vestida, ela namora o pierrô e é amante do arlequim. Esperta a moça, não?











Marchinhas de carnaval
ABRE ALAS
 (Chiquinha Gonzaga, 1899)

Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Eu sou da lira não posso negar
Eu sou da lira não posso negar

Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Rosa de ouro é que vai ganhar
Rosa de ouro é que vai ganhar

BALANCÊ
(Braguinha-Alberto Ribeiro, 1936)

Ô balancê balancê
Quero dançar com você
Entra na roda morena pra ver
Ô balancê balancê

Quando por mim você passa
Fingindo que não me vê
Meu coração quase se despedaça
No balancê balancê

Você foi minha cartilha
Você foi meu ABC
E por isso eu sou a maior maravilha
No balancê balancê

Eu levo a vida pensando
Pensando só em você
E o tempo passa e eu vou me acabando
No balancê balancê

A JARDINEIRA
(Benedito Lacerda-Humberto Porto, 1938)

Ó jardineira porque estás tão triste
Mas o que foi que te aconteceu
Foi a camélia que caiu do galho
Deu dois suspiros e depois morreu

Vem jardineira vem meu amor
Não fiques triste que este mundo é todo seu
Tu és muito mais bonita
Que a camélia que morreu
ALLAH-LÁ-Ô
(Haroldo Lobo-Nássara, 1940)

Allah-lá-ô, ô ô ô ô ô ô

Mas que calor, ô ô ô ô ô ô
Atravessamos o deserto do Saara
O sol estava quente
Queimou a nossa cara

Viemos do Egito
E muitas vezes
Nós tivemos que rezar
Allah! allah! allah, meu bom allah!
Mande água pra ioiô
Mande água pra iaiá
Allah! meu bom allah

BANDEIRA BRANCA
(Max Nunes-Laércio Alves, 1969)

Bandeira branca amor
Não posso mais
Pela saudade que me invade
Eu peço paz

Saudade mal de amor de amor
saudade dor que dói demais
Vem meu amor
Bandeira branca eu peço paz

CHIQUITA BACANA
(Braguinha-Alberto Ribeiro, 1949)

Chiquita bacana lá da Martinica
Se veste com uma casa de banana nanica

Não usa vestido, oi! não usa calção
Inverno pra ela é pleno verão
Existencialista com toda razão
Só faz o que manda o seu coração, ôi!

AURORA
(Mário Lago-Roberto Roberti, 1940)

Se você fosse sincera
Ô ô ô ô Aurora
Veja só que bom que era
Ô ô ô ô Aurora

Um lindo apartamento
Com porteiro e elevador
E ar refrigerado
Para os dias de calor
Madame antes do nome
Você teria agora
Ô ô ô ô Aurora

CABELEIRA DO ZEZÉ
(João Roberto Kelly-Roberto Faissal, 1963)

Olha a cabeleira do zezé
Será que ele é
Será que ele é

Será que ele é bossa nova
Será que ele é maomé
Parece que é transviado
Mas isso eu não sei se ele é

Corta o cabelo dele!
Corta o cabelo dele!

ÍNDIO QUER APITO
(Haroldo Lobo-Milton de Oliveira, 1960)

Ê ê ê ê ê índio quer apito
Se não der pau vai comer

Lá no bananal mulher de branco
Levou pra pra índio colar esquisito
Índio viu presente mais bonito
Eu não quer colar
Índio quer apito

CACHAÇA
(Mirabeau Pinheiro-Lúcio de Castro-Heber Lobato, 1953)

Você pensa que cachaça é água
Cachaça não é água não
Cachaça vem do alambique
E água vem do ribeirão

Pode me faltar tudo na vida
Arroz feijão e pão
Pode me faltar manteiga
E tudo mais não faz falta não
Pode me faltar o amor
Há, há, há, há!
Isto até acho graça
Só não quero que me falte
A danada da cachaça

A FILHA DA CHIQUITA BACANA
(Caetano Veloso, 1975)

Eu sou a filha
Da chiquita bacana
Nunca entro em cana
Porque sou família demais
Puxei à mamãe
Não caio em armadilha
E distribuo banana
Com os animais

Na minha ilha iê iê iê
Que maravilha iê iê iê
Eu transo todas
Sem perder o tom
E a quadrilha toda grita
Iê iê iê
Viva a filha da chiquita
Iê iê iê
Entrei pro women's liberation front


QUEM SABE, SABE
(Jota Sandoval-Carvalhinho, 1955)

Quem sabe, sabe
Conhece bem
Como é gostoso
Gostar de alguém

Ai morena deixa eu gostar de você
Boêmio sabe beber
boêmio também tem querer

CHUVA SUOR E CERVEJA
(Caetano Veloso, 1971)

Não se perca de mim
Não se esqueça de mim
Não desapareça
A chuva tá caindo
E quando a chuva começa
Eu acabo de perder a cabeça
Não saia do meu lado
Segure o meu pierrô molhado
E vamos embolar
Ladeira abaixo
Acho que a chuva
Ajuda a gente a se ver
Venha veja deixa beija seja
O que Deus quiser

A gente se embala, se embola
Se enrola, só pára
Na porta da igreja
A gente se olha
Se beija, se molha
De chuva suor e cerveja

YES, NÓS TEMOS BANANAS
(Braguinha-Alberto Ribeiro, 1937)

Yes, nós temos bananas
Bananas pra dar e vender
Banana menina tem vitamina
Banana engorda e faz crescer

Vai para a França o café, pois é
Para o Japão o algodão, pois não
Pro mundo inteiro, homem ou mulher
Bananas para quem quiser

Mate para o Paraguai
Ouro do bolso da gente não sai
Somos da crise, se ela vier
Bananas para quem quiser

CIDADE MARAVILHOSA
(André Filho, 1934)

Cidade maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade maravilhosa
Coração do meu Brasil
Cidade maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade maravilhosa
Coração do meu Brasil

Berço do samba e das lindas canções
Que vivem n'alma da gente
És o altar dos nossos corações
Que cantam alegremente

Jardim florido de amor e saudade
Terra que a todos seduz
Que Deus te cubra de felicidade
Ninho de sonho e de luz

LINDA LOURINHA
(Braguinha, 1933)

Lourinha, lourinha
Dos olhos claros de cristal
Desta vez em vez da moreninha
Serás a rainha do meu carnaval

Loura boneca
Que vens de outra terra
Que vens da Inglaterra
Ou que vens de Paris
Quero te dar
O meu amor mais quente
Do que o sol ardente
Deste meu país

Linda loirinha
Tens o olhar tão claro
Deste azul tão raro
Como um céu de anil
Mas as tuas faces
Vão ficar morenas
Como as das pequenas
Deste meu Brasil

LINDA MORENA
(Lamartine Babo, 1932)

Linda morena, morena
Morena que me faz penar
A lua cheia que tanto brilha
Não brilha tanto quanto o teu olhar

Tu és morena uma ótima pequena
Não há branco que não perca até o juízo
Onde tu passas
Sai às vezes bofetão
Toda gente faz questão
Do teu sorriso

Teu coração é uma espécie de pensão
De pensão familiar à beira-mar
Oh! Moreninha, não alugues tudo não
Deixe ao menos o porão pra eu morar

Por tua causa já se faz revolução
Vai haver transformação na cor da lua
Antigamente a mulata era a rainha
Desta vez, ó moreninha, a taça é tua

MULATA IÊ IÊ IÊ
(João Roberto Kelly, 1964)

Mulata bossa nova
Caiu no hully gully
E só dá ela
Ê ê ê ê ê ê ê ê
Na passarela

A boneca está
Cheia de fiufiu
Esnobando as louras
E as morenas do Brasil

MAMÃE EU QUERO
(Jararaca-Vicente Paiva, 1936)

Mamãe eu quero, mamãe eu quero
Mamãe eu quero mamar
Dá a chupeta, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebe não chorar

Dorme filhinho do meu coração
Pega a mamadeira e vem entrá pro meu cordão
Eu tenho uma irmã que se chama Ana
De piscar o olho já ficou sem a pestana

Olho as pequenas mas daquele jeito
Tenho muita pena não ser criança de peito
Eu tenho uma irmã que é fenomenal
Ela é da bossa e o marido é um boçal

MARCHA DO CORDÃO DO BOLA PRETA
(Nelson Barbosa - Vicente Paiva, 1962)

Quem não chora não mama
Segura meu bem a chupeta
Lugar quente é na cama
Ou então no Bola Preta

Vem pro Bola meu bem
Com alegria inferna
Todos são de coração
Todos são de coração
Foliões do carnaval
(Sensacional!)

VAI COM JEITO
(Braguinha, 1956)

Vai com jeito vai
Se não um dia a casa cai (menina)

Se alguém te convidar
Pra tomar banho em Paquetá
Pra piquenique na Barra da Tijuca
Ou pra fazer um programa no Joá
Menina...

MARCHA DO REMADOR
(Antônio Almeida - 1969)

Se a canoa não virar olê olê olá
Eu chego lá

Rema rema rema remador
Quero ver depressa o meu amor
Se eu chegar depois do sol raiar
Ela bota outro em meu lugar

MÁSCARA NEGRA
(Zé Keti-Pereira Mattos, 1966)

Quanto riso oh quanta alegria
Mais de mil palhaços no salão
Arlequim está chorando
Pelo amor da colombina
No meio da multidão

Foi bom te ver outra vez
Está fazendo um ano
Foi no carnaval que passou
Eu sou aquele pierrô
Que te abraçou e te beijou meu amor
Na mesma máscara negra
Que esconde o teu rosto
Eu quero matar a saudade
Vou beijar-te agora
Não me leve a mal
Hoje é carnaval

ME DÁ UM DINHEIRO AÍ
(Ivan Ferreira-Homero Ferreira-Glauco Ferreira, 1959)

Ei, você aí!
Me dá um dinheiro aí!
Me dá um dinheiro aí!

Não vai dar?
Não vai dar não?
Você vai ver a grande confusão
Que eu vou fazer bebendo até cair
Me dá me dá me dá, ô!
Me dá um dinheiro aí!

O TEU CABELO NÃO NEGA
(Lamartine Babo-Irmãos Valença, 1931)

O teu cabelo não nega mulata
Porque és mulata na cor
Mas como a cor não pega mulata
Mulata eu quero o teu amor

Tens um sabor bem do Brasil
Tens a alma cor de anil
Mulata mulatinha meu amor
Fui nomeado teu tenente interventor

Quem te inventou meu pancadão
Teve uma consagração
A lua te invejando faz careta
Porque mulata tu não és deste planeta

Quando meu bem vieste à terra
Portugal declarou guerra
A concorrência então foi colossal
Vasco da gama contra o batalhão naval

PASTORINHAS
(Noel Rosa-Braguinha, 1934)

A estrela d'alva no céu desponta
E a lua anda tonta com tamanho esplendor
E as pastorinhas pra consolo da lua
Vão cantando na rua lindos versos de amor

Linda pastora morena da cor de madalena
Tu não tens pena de mim
Que vivo tonto com o teu olhar
Linda criança tu não me sais da lembrança
Meu coração não se cansa
De sempre sempre te amar
PIERRÔ APAIXONADO
(Noel Rosa-Heitor dos Prazeres, 1935)

Um pierrô apaixonado
Que vivia só cantando
Por causa de uma colombina
Acabou chorando, acabou chorando

A colombina entrou num butiquim
Bebeu, bebeu, saiu assim, assim
Dizendo: pierrô cacete
Vai tomar sorvete com o arlequim

Um grande amor tem sempre um triste fim
Com o pierrô aconteceu assim
Levando esse grande chute
Foi tomar vermute com amendoim

PIRATA DA PERNA DE PAU
(Braguinha, 1946)

Eu sou o pirata da perna de pau
Do olho de vidro da cara de mau

Minha galera
Dos verdes mares não teme o tufão
Minha galera
Só tem garotas na guarnição
Por isso se outro pirata
Tenta a abordagem eu pego o facão
E grito do alto da popa:
Opa! homem não!

SACA-ROLHA
(Zé da Zilda-Zilda do Zé-Waldir Machado, 1953)

As águas vão rolar
Garrafa cheia eu não quero ver sobrar
Eu passo mão na saca saca saca rolha
E bebo até me afogar
Deixa as águas rolar

Se a polícia por isso me prender
Mas na última hora me soltar
Eu pego o saca saca saca rolha
Ninguém me agarra ninguém me agarra

SASSARICANDO
(Luiz Antônio, Zé Mário e Oldemar Magalhães, 1951)

Sassassaricando
Todo mundo leva a vida no arame
Sassassaricando
A viúva o brotinho e a madame
O velho na porta da Colombo
É um assombro
Sassaricando

Quem não tem seu sassarico
Sassarica mesmo só
Porque sem sassaricar
Essa vida é um nó

TA-HÍ!
(Joubert de Carvalho, 1930)

Taí eu fiz tudo pra você gostar de mim
Ai meu bem não faz assim comigo não
Você tem você tem que me dar seu coração

Meu amor não posso esquecer
Se dá alegria faz também sofrer
A minha vida foi sempre assim
Só chorando as mágoas que não têm fim

Essa história de gostar de alguém
Já é mania que as pessoas têm
Se me ajudasse Nosso Senhor
Eu não pensaria mais no amor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário